quarta-feira, 8 de julho de 2009

Dois meses sem carne

Desde que saí de casa, minha alimentação passou por algumas boas mutações. Essa temporada de mudanças já tem mais de 10 anos, desde que deixei o conforto da mesa servida do pai e da mãe. Faz anos que minha alimentação é predominantemente vegetariana, mas não era totalmente livre de carne. Ainda me entregava para os mais diversos pratos com carnes de todo o tipo e mergulhava em frios no café da manhã.

Há alguns bons meses, venho reduzindo meu consumo de carne e, há menos de três meses, eliminei a carne completamente do meu cardápio. Meu paladar foi alterado pela ideologia. Na convivência com manifestações veganas, maestradas pela Vanessa - grande amiga que tem dividido o mesmo teto que eu -, acabei me sensibilizando e entendendo que podemos incorporar um novo consumo, livre de crueldade.

Comecei de maneira bastante modesta, colocando alguns princípios éticos em minhas refeições, rejeitando ingredientes como a vitela e o foie grois. O primeiro é porque acho um tanto radical comer filhotes, independente da espécie, ainda mais quando são confinados e tem sua curta vida destruída por caprichos humanos, e o segundo pelos problemas de fígado que o bicho enfrenta ao ter alimentação forçada da forma mais radical possível, com canos enfiados forçadamente no esôfago. Depois disso, comecei dando minha preferência para carnes que tivessem procedência, no sentido de garantir o bem-estar animal, no entanto, não existem normas que garantam isso, pelo menos, não que eu conheça.

Em quase três meses de alimentação vegetariana, senti resultados ótimos no corpo e pude comprovar na pele que só passa fome quem não coloca a cabeça pra funcionar. Minha vida se encheu de novas receitas e experimentos que estão garantindo uma fase feliz, leve e criativa. Se vou continuar com essa política, um pouco extrema na visão dos meus pais, eu não sei, mas estou feliz com a decisão que tomei.

Se quiser entender um pouquinho mais no que implica aquele bifinho ou o peitinho de frango que diariamente você põe no prato, assista A Carne é Fraca. Um documentário mal produzido, mas que te faz acordar para assuntos que jamais entraram em pauta na vida dos carnívoros. Assista e reflita. No mínimo, você vai reforçar sua convicção ou destruir as velhas estruturas que darão espaço à uma nova postura.

6 comentários:

Silvia Masc disse...

Gostoso de ler esse depoimento, veio chegou tranquilo aos meus ouvidos, sem o tom que costumo ouvir de algumas pessoas que deixam qq. hábito.
Acho muito legal essa liberdade, tenho reduzido sensivelmente, mas procuro não entrar em radicalismo, pq. se observarmos a cadeia alimentar, o que nos restaria? Comigo o processo está sendo natural, diminui e cada vez mais, menos sinto falta, creio que um dia, pararei de consumir totalmente.
Quanto as resultados, realmente são visíveis, não sei como vc era antes, mas hoje, está um gato.rs
Não sei se consegui me fazer entender, desde a madrugada, estou "da boca pra fora"...

beijinho

cainanunes disse...

Que legal Douglas! Parabéns :)
Earthlings é um documentário sensacional! "Earthlings" (Terráqueos)

Vanessa disse...

:)

Lu disse...

Negrito!
Amei nosso encontro hoje a noite, as usual. Tu é ótimo e alguém que eu sempre quero ter por perto, mesmo que estando distante em função dos quilômetros que nos separam.
Aí vai o link pro blog da minha viagem: http://europaemfamilia.blogspot.com

Beijos

Andriele Niederauer disse...

Oi Teo, não sei se vc lembra de mim, mas estudei contigo no Bompa e navegando na net, procurando desenhos, me veio seu nome na cabeça e então procurei por vc no Google e achei seu blog, eu tinha certeza que vc teria sucesso com a carreira , nós nos davamos muito bem e vc fez vários desenhos meus, é uma pena eu não tê-los hoje, gostaria de ter o seu email, sinto saudades e a Lizi como vai? um grande beijo, vi na net alguns trabalhos seus e achei fantástico, um grande beijo querido. De coração... Sucesso pra ti, ah vê se passa teu email...bjus

Douglas Téo disse...

Oi, Andriele!
Que loucura te encontrar por aqui!
Claro que lembro de ti. Não existe a possibilidade de esquecimento. Espero que a vida tenha sido gentil contigo esse tempo todo. Saudade de você!
Anota meu email: douglasteo@gmail.com
Vai ser um prazer retomar a vida e saber como andam as coisas com você.
Beijo grande e tudo de muito bom!
Até logo!
:o)