terça-feira, 23 de junho de 2009

Sanduíche sem nome

Ideias em dias ensolarados, de grama, de pano, comida, mato e queridos.
Café, doce de uva, suquinho. Violão do primo e do amigo, mãe do amigo, filha da outra amiga, amigas minhas agregadas e as protagonistas da novela "A colona e a nipônica". Tudo perfeito no parque.

Por um tempo antes, plano. Preliminares perfeitas, de pique-nique. Passando café, cortando legumes, mexendo batata salsa na panela, misturando limão siciliano com azeite. Das mãos da Vanessa saíram sanduíches capazes de fazer duendes se revelarem no parque pra roubar um da cesta. Ou toda a cesta. Deu tão certo que seria uma gafe tremenda não postar aqui a receita.

Sanduíche Sem Nome da Vane

O que vai?
- Purê de batata salsa (mandioquinha ou batata baroa, depende do chão que estiver pisando). Aqui você amassa a dita batata salsa cozida com um pouco do próprio caldo, azeite de oliva extra virgem e sal;
- Fatias de abobrinha sapecadas com um fio de azeite;
- Tomates maduros e frescos, em fatias também;
- Molho de azeite, alho e limão siciliano, claro, toca sal e pimenta nessa mistura;
- Pão francês. A marida sugere preto. Pão preto (obviamente vegano, nai, Vanessi?)

Como montar?
Abra o pão, passe uma generosa camada de purê, acrescente fatias da abobrinha sapecada, fatias de tomate e o tal molho de limão. Tá pronto. Fica cremoso, colorido, com texturas diferentes... tem que provar!

Gosto do jeito dela cozinhar.

Depois de muito enrolar e comer sanduíches e ficar de papo na bancada da cozinha, perdemos parte da tarde, mas pegamos um sol gostoso e ficamos cultuando o ócio junto com bons amigos. Pinotes e manifestações de yoga e kung-fu tornaram a tarde ainda mais pulsante e divertida. Adoro aqueles dias ensolarados em que estou mais empolgado que as crianças. Parece que a vida passa em outro tempo. Quando falo de outro tempo, é outro tempo mesmo. Não tem relógio, é uma tacada de nostalgia que nasce da euforia dos pulos e da comida gostosa misturada com o verde e com nome de pique-nique. Dá pra imaginar domingo melhor?

Som que retrataria a tarde.
There's too much to love, Belle and Sebastian.


3 comentários:

Silvia Masc disse...

Que delícia deve ser... eu sempre penso que fazer coisinhas gostosas e saudáveis não é difícil...
beijo

Rosiany disse...

Espero que a Vane faça esse sanduiche qdo ela aparecer no velho oeste, a gente nao sabe fazer comida vegana, mas comer sim!!! Deve ficar uma delicia!! bjao

Vanessa disse...

Eita, tá boa essa parceria, entre rangos homéricos e arranca rabos desaforados, a amizade se fortalece cada vez mais! Ah, se eu tivesse que nomear o sanduíche, este chamaria "Tudo o que a Érica gosta".hehe