quarta-feira, 22 de outubro de 2008

A gamela mágica


Florianópolis, praias, montanhas, natureza e um tempo de merda! Viajei a trabalho durante quatro dias, hospedado no Costão do Santinho, que foi considerado o melhor Resort Praia do Brasil algumas boas vezes. Do minuto em que cheguei à madrugada final da minha estadia, a chuva e o céu cinza dançaram como loucos sobre minha cabeça, sem poupar o sapateado.

Depois de dois dias de muito trabalho e viradas de noite, acabei fazendo um pit stop pra rever uma grande amiga de Floripa, a Chef Didi, já comentada por aqui (a dona do santo cookie).
Não havia dúvida que acabaríamos em uma orgia gastronômica em algum lugar, só não se sabia onde e como, mas sabíamos da comida. Decidimos passar no mercado e preparar uns quitutes em casa. A mente efervescente da Didi pariu uma idéia que acabou virando uma surpresa deliciosa. Entre legumes, camarões frescos e salmão, existia minha dúvida se aquela seria a receita ideal pra uma noite de frio. Passamos em um empório e compramos um vinho rosé brasileiro, da Villa Francioni. Continuei reticente, principalmente, porque não sou um grande fã de vinhos brasileiros.

Chegamos em casa, fizemos fogo na churrasqueira e começamos um espetáculo na grelha. Cogumelos inteiros, tomates pela metade e brócolis temperados ao azeite e curry, camarões frescos e salmão com ervas, pimentão verde, cebola roxa, uma peça maravilhosa de queijo gruyere e 
pães. Tudo tostando na grelha.

Abrimos o vinho e cheguei a conclusão de que a língua é o chicote da bunda. Um rosé que ganhou meu respeito e me fez olhar para esse "terroir brasileiro" com outros olhos.
Essas maravilhas douradas foram servidas em uma gamela de madeira, acompanhadas de alecrim e queijo brie. Tudo consumido à mão, de maneira viceral e insubstituível.
A noite foi uma odisséia regada a sabores intensos, conversas deliciosas em inglês e tonturinha de vinho bom.

Na manhã seguinte, iniciei meu dia tomando um belo café da manhã no Dom Joaquim, café onde a Didi chefia a cozinha. Além da boa lembrança da noite anterior, provei um cheesecake de lamber os dedos, também criatura da Chef Didi.
No meio de trabalho e loucuras que a economia coloca em nossas vidas, precisamos buscar conforto nesses pequenos prazeres, pois são eles que acabam fazendo da nossa vida o que a vida realmente é.


5 comentários:

JOÃO INOCENCIO disse...

Rapaz! Tive por seu intermédio, o prazer de conhecer a Didi! Aqui em minha Sampa em lugar especialíssimo- Jazz nos Fundos - com a deliciosa companhia do Marcelo e da Lú. Veja que todos referenciados em você!Acompanhei a descrição desta farra-na-grelha e assim que minha garota retornar da Cidade maravilhosa será uma boa opção. O vinho vou provar mesmo antes do retorno da diva! hahahah. Um abraço pra ti e mande lembranças carinhosas a Didi.
João Inocencio

Marcon disse...

Buenas Douglas, acompanho teu blog há um tempo já e pesquisando por ele encontrei este: http://dabocapradentro.blogtv.uol.com.br/

só a título de informação (talvez bastante inútil) mas é isso.

Saluti

Douglas Téo disse...

Eu adoro essas fotos amadoras de tratamento dentário. Uma pior que a outra!
Ainda não consegui ver algo decente nesse sentido. Será que o acaso me sacaneia ou realmente não existe algo visualmente digno nesse segmento?
No mais, ciúmes do nome.

Em tempo: fico feliz que acompanhe as barbaridades que escrevo por aqui!

Saludos!

marcon disse...

Então cara, fotos bizarras mesmo.

Curto o modo como tú escreve.Fico curioso apesar de não morar em são paulo e nunca ter ido a esses lugares fodassos.

cheers
:)

Anônimo disse...

oi!
realmente deu água na boca.
deve ter sido a odisséia mesmo.
hehe,
saudades imensas. beijo grande

Fran
(Francelise)