terça-feira, 1 de abril de 2008

Piola numa versão mais ou menos

Bem, antes de mais nada, esta experiência foi o ponta-pé inicial da idéia de escrever sobre os lugares que saio pra comer. Nem todos, mas os que interessam. O ponto aqui é falar sobre o contexto da refeição, da recepção à esnobada do garçon na sua pisada porta afora. Pra falar bem ou pra jogar tomates na fachada do lugar. Comecemos, então!

Chegamos no Piola da Lorena lá pelas 22h de ontem, pouco cheio, clima bom, fomos bem recebidos. Mesa pra dois, Dani La e eu fomos atendidos por uma garota pouco inteligente e, definitivamente, sem talento para o que se propôs a fazer. Tava ligada em qualquer coisa do mundo, menos no mundo em que ela precisava estar naquele momento. Até aí, tudo bem. Olhamos o cardápio, eu pedi uma tônica (descobri recentemente que quinino faz bem pro fígado) com gelo, uma rodela de laranja e hortelã macerada no fundo. A Dani nada. Pedimos uma pizza, metade Piola metade Tre Funghi, com complemento de lascas de parmesão na metade Piola. Levando em consideração que a pizza seria cobrada pelo maior valor, concluímos que adicionar R$ 3,50 de queijo na parte mais barata não traria acréscimos, pelo menos, isso nos pareceu bastante lógico naquele momento. A pizza mais barata era R$ 37 enquanto a mais cara R$ 42. Poderíamos ter pedido duas metades de R$ 42! Mesmo assim foram firmes na posição de cobrar adicional. Achei uma pilantragem sem tamanho, um belo ponto pra prestar a atenção por aí.  Me senti passado pra trás pela conveniência adotada por eles.

Notas rápidas:
Comida: boa sem surpreender. O tomate sêco da "metade Piola" era de qualidade duvidosa, mas a mistura de cogumelos não deixou a desejar. Mas, faltou personalidade no sabor.
Decoração: descolada e com certo ar de balada. A simulação de cimento queimado nas paredes vai muito bem com as luminárias estilo "casa da vovó" e o ar pop das cores que quebram a cara de passado do lugar.
Música: 80's de fazer qualquer pé balançar. Do caralho!
Atendimento: descolado, mas com pessoas que confundem o papel de garçon com promoter. Fica invasivo em alguns momentos ou parece descaso em outros. Falta bom senso.

Observações:
1) Falta opções de sucos naturais. Só tinha de laranja e sucos de caixinha. Nada estiloso.
2) Pouca preocupação ambiental. Estava levando o jogo americano pra casa e ele decidiu amassar o mesmo e me dar um novo, sem eu pedir. Ao criticar a atitude dele, o rapaz argumentou o fato das folhas serem feitas de eucalipto. E daí, deixou de derrubar árvore pra fazer o papel?

2 comentários:

Malpa disse...

O primeiro comentário do site é MEU!!!!! Bjs, Malpa.

Douglas Téo disse...

Viva!!!